leila-macedo-ribas

SECRETARIA DE SAÚDE DESCARTA NOVO CORONAVÍRUS COMO CAUSA DA MORTE DE PROFESSORA DE PALMEIRA

A morte da professora Leila Macedo Ribas, 50 anos, na madrugada deste sábado (1º), em hospital de Ponta Grossa, suscitou versões de que teria ocorrida devido ao novo coronavírus. Tal afirmação foi prontamente desmentida pela Secretaria de Saúde de Palmeira, que informou que o óbito está em investigação de Síndrome Respiratória Aguda. Assim, não se trata de um caso suspeito de coronavírus, pois não se enquadra no protocolo da Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo nota emitida pela Secretaria.

A professora morreu às 4h24 da madrugada deste sábado, após ter dado entrada no Pronto Atendimento da Santa Casa de Palmeira, na quarta-feira (29.) Com os sintomas apresentados pela paciente, a equipe médica iniciou o atendimento seguindo as instruções do protocolo do Ministério da Saúde para H1N1. A paciente ficou em isolamento e na quinta-feira (30) foi transferida para o Hospital Regional de Ponta Grossa, hospital de referência na área da 3ª Regional de Saúde.

A professora havia retornado de viagem a Orlando, nos Estados Unidos, na terça-feira (28, junto com familiares. No entanto, não é possível afirmar que ela tenha contraído algum tipo vírus naquele país que desencadeou a síndrome já no Brasil.

A secretária de Saúde de Palmeira, Fabiani Bach Czelusniak, informou que foram coletados amostras e enviadas para análises ao Laboratório Central do Paraná (Lacen). Somente os resultados dos exames laboratoriais poderão afirmar com segurança o motivo da morte de Leila. Os resultados dos exames, segundo nota conjunta da Secretaria de Estado da Saúde e da Secretaria de Saúde de Palmeira, devem ser divulgados nesta segunda-feira (3).

Quanto ao novo coronavírus, é importante que a população saiba que os sinais e sintomas clínicos da contaminação são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. Os principais são sintomas são: febre, tosse e dificuldade para respirar.

A professora era casada e tinha três filhos. Ela era professora da disciplina de Geografia e trabalhou em várias escolas e colégios de Palmeira. Seu corpo está sendo velado na Central de Luto Nossa Senhora do Carmo, em Palmeira, com saída prevista para 10 horas deste domingo (2), para o Crematório Perpétuo Socorro, em Campo Largo.

Comentários

comentários

Publicidade

Curta nossa Página