Reviravolta no caso do morador de rua assassinado leva novo suspeito a prisão

Uma reviravolta no caso do morador de rua morto brutalmente na madrugada do último dia 16, (sábado), levou à Polícia Civil de Palmeira ao verdadeiro assassino de Edson Bueno, de 54 anos, natural de Campo Mourão, que entrou em óbito após receber várias pedradas na cabeça enquanto dormia. Após receber denúncias anônimas de que o crime havia sido cometido por Paulo Henrique dos Santos Bandeira (21), policiais que já tinham tido acesso às imagens da câmera de segurança do Senai onde ocorreu o assassinato, interrogaram outros moradores de rua próximos à Paulo, que confirmaram a autoria dele no crime. Segundo Paulo, os dois haviam discutido por motivos banais horas antes do fato acontecer e Edson teria o ofendido. Paulo Henrique prometeu vingança.

Após uma breve investigação e para que se confirmassem as informações recebidas , policiais se deslocaram até Witmarsum, onde Paulo Henrique estaria na casa de um amigo. Chegando lá o suspeito já não estava mais no local, mas o amigo que deu comida pra ele e lhe emprestou uma jaqueta afirmou que Paulo teria ido para Curitiba. A polícia conseguiu encontrá-lo em Campo Largo graças à descrição da jaqueta usada por ele. Abordado, ele confessou o crime e não resistiu à prisão.

No dia do assassinato, havia sido preso em flagrante Gelson Chutz, que também dormia no local algumas noites e como vestia uma jaqueta muito parecida com a mostrada nas imagens , acabou sendo levado pelos policiais. Dias antes, Gelson havia se envolvido numa briga  no mesmo local e acabou tendo a mão cortada e por esse motivo  também a suspeita se levantou contra ele. Após a confissão de Paulo, o delegado que cuida do caso, Dr. Plínio Gomes Filho, entrou com pedido de liberdade de Gelson Chutz e com representação junto ao Ministério Público para que fosse formalizada a prisão de Paulo Henrique. “Com as imagens da câmera do local, as denúncias recebidas e a confissão do assassino, não tínhamos mais dúvidas sobre a verdadeira autoria do crime, aí foi só formalizar tudo e dar continuidade ao processo”, explica Dr. Plínio. Paulo está em prisão preventiva por tempo indeterminado na Delegacia da Polícia Civil de Palmeira.

O corpo de Edson Bueno ainda encontra-se no IML de Ponta Grossa aguardando que um familiar faça a liberação. Caso nenhum parente vá até o instituto nos próximas dias, o próprio delegado poderá fazer a liberação do corpo para que seja enterrado.

O CRIME

Na madrugada do último dia 16 o morador de rua Edson Bueno(54), natural de Campo Mourão  recebeu vários golpes de pedra enquanto dormia. Edson entrou em óbito no local pela gravidade dos golpes. O crime aconteceu na antiga Estação Ferroviária da cidade, onde hoje funciona a sede do Senai.Um suspeito havia chegou a ser preso em flagrante mas denuncias anônimas levaram até o verdadeiro autor das agressões.

Comentários

comentários

Publicidade

Curta nossa Página