Foto: Divulgação / Prefeitura de Palmeira
Foto: Divulgação / Prefeitura de Palmeira

Produtores de uva participam de palestra sobre controle de pragas

 

Qualificar e trazer opções de conhecimento que favoreçam o desenvolvimento dos agricultores e produtores agrícolas do município é uma marca registrada da parceria existente entre a Secretaria de Agricultura e Pecuária da Prefeitura de Palmeira com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater). Por isso, ações são desenvolvidas frequentemente, como a palestra realizada na sexta-feira (24), dirigida a produtores de uva do município.

Trazendo mais uma possibilidade de expansão dos conhecimentos dos produtores do município, Secretaria e Emater, através do “Projeto Uva”, trouxeram a Palmeira a engenheira agrônoma e pesquisadora Maitê Cristina Tucholski Landal, que discorreu sobre o tema: “Moluscos terrestres: pragas agrícolas, riscos de transmissão de zoonoses e controle”.

Para o secretário Eliezer Boskoski, trazer temas atuais e com respaldo do dia a dia dos agricultores fortalece e garante um desenvolvimento real na produção do município. “A discussão desse tema é algo novo, mas que já interfere na produção dos agricultores, isso causa um prejuízo financeiro para eles assim como reflete no município”, explica ele.

A pesquisadora abordou que os danos causados por moluscos (lesmas e caramujos) na produção de uvas é bastante recente, sendo conhecidos na cultura fumageira. Ela que estuda o assunto há mais de um ano, salientou que não é somente pelos prejuízos à cultura, que resultam em danos financeiros, que os agricultores devem se preocupar, mas também porque os moluscos são parte do processo de transmissão de doenças, como é o caso da anglostrongiliase abdominal humana e meningite eosinofílica.

Segundo ela muitas dessas espécies, precisamente seis que atingem as culturas como praga, foram trazidas e inseridas no território nacional como forma de nova criação e acabou sendo recusada pela população. O que ocasionou a criadores desistirem, e liberassem os moluscos de forma irregular, causando um desequilíbrio. E esses animais exóticos muitas vezes atingiram até as espécies nativas.

Os produtores receberam ainda orientação sobre o controle desses casos de infestação, que pode ser realizado com o controle químico, com auxílio de reagentes químicos; controle cultural, que se trata-se da coleta desses animais, com uso de luvas, retirando assim eles da cultura; através de armadilhas e barreiras e também por culturas repelentes, que utiliza de plantas que exalam cheiro e repelem os moluscos.

Os agricultores que não participaram e precisam de orientação ou tirar dúvidas podem procurar a equipe técnica da Secretaria de Agricultura e Pecuária, localizada em anexo ao Complexo Esportivo, com acesso pela PR 151.

Comentários

comentários

Publicidade

Curta nossa Página