Foto: Divulgação / Agência Estadual de Notícias do Paraná (AEN-PR.)
Foto: Divulgação / Agência Estadual de Notícias do Paraná (AEN-PR.)

Governo lança edital de licitação do projeto de melhorias da PR 151 entre Palmeira e Ponta Grossa

 

colegio-realeza-banner

 

O Governo do Estado, através do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), publicou o edital de licitação para contratar a empresa que vai elaborar o projeto executivo de engenharia de duplicação e ampliação da capacidade da PR 151, entre Palmeira e Ponta Grossa. A duplicação prevista não é do trecho total, mas apenas de um trecho de 6,8 quilômetros, entre a BR 376 e o acesso ao Distrito de Guaragi pela PR 438. O orçamento previsto, somente para o projeto, é de R$ 5 milhões. Quanto ao início efetivo das obras não é possível fazer previsão, pois a partir da contratação da empresa que vai elaborar o projeto de engenharia até a contratação e emissão de ordem de serviço para a que vai executar as obras, há um longo caminho, que demanda alguns anos.

Além da duplicação da rodovia, segundo anunciado pelo DER o projeto prevê terceiras faixas, acostamentos, restauração, viadutos, marginais, acessos, pontes alargadas, ciclovias, calçadas e passarelas. Por sua vez, o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, afirmou que no projeto estará o contorno de Palmeira, que deve cruzar a BR 277, tirando o tráfego mais pesado do Centro da cidade. Há cerca de sete anos, o DER já cogitava o traçado deste contorno, a partir das proximidades do Colégio Agrícola Getúlio Vargas até um ponto da BR 277, próximo ao viaduto que liga o Centro ao bairro da Colônia Francesa. O secretário disse, ainda, que o projeto será extenso, detalhado e muito cuidadoso. “Vamos buscar todas as soluções necessárias para garantir que a PR 151 fique nas melhores condições para que a população de Ponta Grossa e Palmeira transite de forma segura e confortável”, assegurou Sandro Alex.

O projeto tem início na interseção com a BR 376, em Ponta Grossa. Dali até o entroncamento com a PR 438 será realizada a restauração e duplicação da rodovia, em uma extensão de 6,8 quilômetros. Neste primeiro subtrecho também estão previstas a implantação de vias marginais em dois trechos mais urbanizados de Ponta Grossa, interseções em desnível no acesso ao bairro Cará-Cará e no entroncamento com a PR 438, além de adequações no acesso ao aeroporto, no viaduto sobre a linha férrea e na ponte sobre o Rio Tibagi.

No segundo subtrecho, da PR 438 até a cidade de Palmeira, em uma extensão de 33,31 quilômetros, será restaurado o pavimento e ampliada a capacidade da rodovia. Isso pode incluir acostamentos, terceira faixa, interseções, acessos e outras soluções que serão definidas no projeto de engenharia. Também serão avaliadas e adequadas as pontes sobre o Rio Caniú e sobre o Rio Forquilha. Segundo o DER, no perímetro urbano da Colônia Lago e de Palmeira será estudada a necessidade de implantação de vias marginais, calçadas, ciclovias, passarelas e outras soluções para melhorar o tráfego e garantir a segurança dos pedestres. Em Palmeira, especificamente, deve ser construída uma interseção em desnível no acesso ao Centro da cidade e interseções em nível nos cruzamentos com vias mais movimentadas.

No terceiro subtrecho será estudada a construção de um contorno em Palmeira, com início no quilômetro 371 da PR 151, cruzando a BR 277 com uma interseção em desnível, e término no quilômetro 381 da própria PR-151, em uma extensão de pouco mais de 9 quilômetros de pista de rodagem. Assim, a extensão total prevista no projeto para os três subtrechos é de 49,11 quilômetros.

O diretor-geral do DER, Fernando Furiatti, disse que além de todas as obras de restauração, duplicação e ampliação que deverão ser detalhadas no projeto de engenharia, também será estudada a implantação do Contorno de Palmeira. Para concluir todos os estudos e levantamentos necessários ele afirmou que será necessário um período de execução de 18 meses somente para o projeto.

Foto: Arquivo Folha

Foto: Arquivo Folha

Edital

A licitação para contratação da empresa que vai elaborar o projeto executivo de engenharia acontece na modalidade Seleção Baseada na Qualidade e Custo (SBQC), em que empresas pré-selecionadas são convidadas a apresentar propostas técnicas e de preço. Elas deverão ser entregues em envelopes lacrados diretamente no DER, em Curitiba, até o próximo dia 10 de dezembro, com a abertura dos envelopes agendada para o dia seguinte, e transmitida pela internet. Todos os documentos e informações sobre esta licitação podem ser acompanhados na página Compras Paraná.

A empresa ou consórcio será declarado vencedor de acordo com análise de suas propostas. No caso das propostas técnicas são avaliados três critérios: experiência prévia; adequação da metodologia e plano de trabalho ao proposto no edital; e qualificação dos profissionais participantes na elaboração do projeto. Nas propostas de preço o critério é o menor valor oferecido.

A elaboração do projeto de engenharia é financiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e acontece dentro do Programa Estratégico de Infraestrutura e Logística de Transportes do Paraná. O programa tem valor previsto de US$ 435 milhões (R$ 1 bilhão 760 milhões) para as obras e elaboração de projetos, sendo US$ 235 milhões (R$ 951 milhões) de recursos do financiamento com o BID. Assim que estiver pronto e for aprovado pelo DER, o projeto será utilizado como base para o edital de licitação para contratação da empresa que vai fazer a execução das obras.

Comentários

comentários

Publicidade

Curta nossa Página